A neurociência explica a crença em Deus?

/
5 Comments

Pode a neurociência explicar o porquê das pessoas creem em Deus?

Nessa técnica, o neo-ateu tentará cantar vitória sobre o teísta justificando-se através do fato de que a neurociência supostamente teria identificado o processo que leva os seres humanos a ter crença em Deus. Ele pode dizer algo do tipo: “Recentes pesquisas da neurociência já mostraram porque os seres humanos acreditam em Deus. Eu sei os motivos pelos quais você acredita e é por isso que seu Deus não existe fora de sua imaginação”.

Se a trucagem não ficou clara ainda, basta conferir que essa não passa de uma técnica baixa de intimidação. Mais uma vez, a confusão reside entre as noções de “Adquirir P” e “Verdade de P”. Utilizando um exemplo bovino, imagine que pesquisadores implementem no cérebro de uma vaca eletrodos, os quais podem ser acionados pelos cientistas conforme a necessidade da pesquisa. Assim, eles acionam os eletrodos num determinado tempo (T) sobre uma determinada área do cérebro que fazem a vaca acreditar (se é que uma vaca tem algo como crenças) que “um dia(T2), um humano vai tirar leite de mim”.

Assim, teríamos uma explicação neuro-científica para a crença P da vaca, porque tal área do cérebro desse animal é estimulada, ele passa a ter uma determinada crença sobre a realidade. Mas isso significa que sua crença P é FALSA? Nem de longe! Pode ser muito bem que Fulano, amanhã, no tempo T2, realmente venha a tirar leite da nossa amiga bovina. Portanto, a crença era verdadeira. E o mesmo vale para qualquer outro tipo de crença. A neurociência pode até explicar o processo cognitivo pelo qual se forma uma crença, mas jamais algo dirá sobre a VERACIDADE ou não da crença em questão baseando-se APENAS nesse processo. Sim, esse ponto é tão direto quanto parece. E como podemos catalogar uma evidência para inexistência de Deus que seja baseada na existência de uma explicação neuro-científica para a crença que Deus existe? Simples: Como fraude intelectual. Mas será que a neurociência também não pode vir e dar uma explicação da descrença em Deus (como o o desejo de cometer certos tipos de atos sexuais em conflito com a imagem que o sujeito tem de Deus ou seja lá o que for)? Então, nesse caso, Deus existiria e não existiria ao mesmo, já que temos explicação neuro-científica para os dois casos? Bobagem, é claro que não. Sem falar que teístas não precisam se sentir nada amedrontados por alguma descoberta de que o cérebro humano está naturalmente preparado para crer em Deus. Não é exatamente o que iríamos esperar no caso de Deus existir? Um conhecimento intuitivo e natural nos humanos da existência de uma força superior?

Até antigos filósofos cristãos já tinham dado seu palpite no tema. São Tomás de Aquino dizia que “O conhecimento da existência de Deus é implantado, embora de uma forma geral e confusa, em nós pela natureza…”. Calvino também trabalhou com a noção de umsensus divinitatis, que providenciava a crença em Deus pela mero interagir com o mundo exterior. Se Deus existe, ele não ia querer que até o mais simples e humilde dos humanos tivesse crença nele, não por argumentos complicados que talvez ele jamais entenda, mas por um processo natural que o leva para a crença? Parece uma noção bastante coerente com o teísmo, revertendo a ideia inicial ao nosso favor. Outro ponto que essa idéia derruba é a nossa velha falácia de que “Todos nascem ateus”(esta bobagem, por incrível que pareça, é amplamente divulgada hoje em dia pela associação de ateus e agnósticos do Brasil, ou se preferir, ATEA). Se o ser humano nasce pronto para acreditar em Deus, então todos nascem TEÍSTAS. Então, nesse caso, é o ATEÍSMO que vira resultado de influências culturais sobre a pessoa e não o contrário.

Conclusões e considerações finais:

Enfim, se alguém tentar refutar a existência de Deus utilizando a neurociência, é só lembrar que identificar o processo de formação de algo é diferente de dizer se esse algo é ou não verdade. Aí é só mandar pastar! Até porque qualquer argumento que se baseie nessa noção, por si só, já é uma clara forma de picaretagem.

Referências: SnowBall (Quebrando o Encanto do Neo-Ateísmo)


You may also like

5 comentários:

  1. Bom texto, faltou apenas acrescentar que o uso desse tipo de argumentação recorre numa falácia genética.

    ResponderExcluir
  2. http://m.youtube.com/watch?v=MUyKVQp76Pk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até eu demonstraria a desonestidade de Harris, cometeu grotescamente falácia genética, partiu para a ignorância (Chamou o cristianismo de psicopático), raciocinou em círculos, fez vários espantalhos etc.
      Já dizia o velho ditado:
      Os que não sabem o que estão dizendo, inventam desculpa para sua própria conveniência.

      Excluir
  3. Não se pode refutar a existência de algo que não pode ser comprovado objetivamente através da ciência. A crença em qualquer dos 2700 deuses que supostamente existem, é algo subjetivo, da mesma forma que gostar de um time de futebol. Só que os times de futebol existem. Aliás, se não fosse pela ciência, nós estaríamos ainda ajoelhados com os olhos fechados pedindo para cair alguma coisa das nuvens. Enquanto os crentes, que falam contra a ciência, estão desfrutando de computadores, celulares, eletricidade, medicina, etc., etc..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao que parece, o seu pensamento baseia-se no cientificismo, isto é, toda e qualquer verdade somente pode ser alcançada pela ciência. No entanto, observe que essa afirmação não pode ser comprovada cientificamente, logo, trata-se de um pensamento auto-refutável. Se você quer manter a sua posição, deverá negar que:

      (1) É possível ter conhecimento da lógica;

      (2) Esse conhecimento não é gerado pela metodologia da ciência;

      Observe que a primeira premissa é auto-evidente. Não é possível negá-la sem cair em contradição. A segunda premissa é igualmente sólida, pois a ciência pressupõe a lógica. Logo, não há o que se fazer, senão aceitar que o cientificismo é falho e que existem outras fontes de conhecimento da verdade.

      Não obstante, você comete a falácia metodológica ao querer provar um objeto que não pertence ao escopo da ciência com o método científico. Segundo a filosofia, Deus é tido como um ser metafísico (além da física), logo, cabe à metafísica (campo da filosofia) estudá-lo por meio de deduções e inferências lógicas. Desta forma, podemos compreendê-lo, a título de exemplo, à luz da ontologia e da epistemologia. Por fim, fica claro que querer prová-lo através da ciência é incorrer em falácia metodológica, além de pressupor uma posição epistemológica auto-refutável.

      Só mais um comentário: Não vejo problemas em crentes desfrutarem de tecnologias, afinal, o pai da ciência moderna (Francis Bacon) era cristão e a própria popularização da ciência foi, em grande parte, influenciada e patrocinada pela Igreja Católica (Ler "Como a Igreja Católica construiu a Civilização Ocidental", do historiador Thomas E. Woods Jr.). Copérnico, Descartes, Kepler, Newton, Mendel, Faraday, Lemaitre, Planck... A invenção dos óculos, por exemplo, veio por meio dos padres; a invenção ampliação e popularização das universidades modernas também foi obra de religiosos (Igreja Católica); Hospitais também foram inventados e popularizados pela Igreja Católica (não é à toa que o símbolo dos hospitais é uma cruz). Recentemente, o Hospital do Vaticano obteve grande sucesso com pesquisas com células-tronco (http://pt.aleteia.org/2014/06/23/hospital-do-vaticano-faz-descoberta-pioneira-com-celulas-tronco/); A Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano, por exemplo, acumula mais de 80 Nobels, etc... Não faz sentido algum a sua afirmação.

      Excluir

Total de visualizações de página

Razão em Questão. Tecnologia do Blogger.